Arquivo da categoria: Na itinerância

II Feira Nacional da Reforma Agrária

Com a teia da agroecologia unida por uma soberania alimentar, todos os consumidores são atraídos


Uma feira que cresce a cada edição (e esta é apenas a segunda), apontando novas perspectivas para a integração entre agricultores da reforma agrária, neo rurais e consumidores de diversas classes. Atraindo mais de 170 mil pessoas, a II Feira Nacional da Reforma Agraria ocorreu entre os dias 4 e 7 de maio de 2017 no Parque da Água Branca em São Paulo.


Oportunidade de encontros com lideranças, ícones nos movimentos de agroecologia e principalmente do contato direto com os verdadeiros produtores e geradores de alimentos orgânicos deste país. Mostrando que a luta pela reforma agrária esta diretamente atrelada a uma necessidade e busca de alimentação saudável.


Multiplica! esteve presente oferecendo variedades crioulas para novos e antigos guardiões.


Produtos, mudas, sementes, pratos típicos, medicinas naturais e curiosidades do campo e da natureza. Trazidos de todos os cantos do Brasil, apresentados por seus próprios produtores e mestres com carinho e motivação de quem vive no dia a dia esta troca com as plantas e o alimento, em louvor a mãe terra.


Conferências e palestras ministradas pelos agricultores empoderados das técnicas de manejo sustentável (como os Sistema Agroflorestais) que foram redescobertas e aprimoradas a partir de estudos de seu próprio conhecimento ancestral, desde sempre utilizados de forma intuitiva no campo dentro da agricultura familiar e anteriormente nas comunidades tradicionais.

O escritório de um guardião de sementes e a seleção do milho crioulo

Depois de uma colheita abundante, a partir de umas poucas sementes destas bem antigas de milho de pipoca, vem um delicado e satisfatório trabalho de observação e seleção, mostrando que o escritório de um guardião de sementes pode ser bastante intricado.

Em um de nossos encontros de troca de sementes tivemos a oportunidade de receber um punhado do milho de pipoca crioulo preservado por agricultores da região da Lapa, PR. A variedade, cuja mescla de cores era uma das características preservadas pelo guardião, nos chamou atenção para uma experiência: entre grãos vermelhos, pretos, roxos, amarelos, laranjas e dourados de variados tamanhos, separamos cuidadosamente apenas as sementes maiores e de cor preta, afim de comprovar a variabilidade genética deste exemplar. Sabemos que esta variabilidade é a riqueza de uma semente crioula tradicional e marca sua possibilidade de variar e retornar características, assim como preserva sua capacidade de adaptação e resistência às mudanças climaticas e intervenções naturais. Isto somente é possível com gerações de plantio, replantio, misturas no cruzamento e seleção de características; inestimável trabalho dos guardiões de sementes que vem sendo praticado ha mais de 9 mil anos e que ainda muitos desconhecem. Aliás, hoje com tais manipulacoes genéticas de “melhoramento” para fins comerciais, estas sementes são desvalorizadas ou até condenadas por sua rusticidade e despadronização de características impostas pelo mercado.

“Maiz” peruano
A mistura original do guardião

Enfim, sabendo tudo isso, levamos a campo nossa expêriencia. Semeamos apenas os grãos pretos selecionados para observar logo que características e cores esta semente pode nos retornar de sua memória. Fosse esta uma semente híbrida “melhorada”, onde os gens são isolados, devolveria apenas espigas com grãos pretos, todas praticamente do mesmo tamanho (obviamente, se utilizássemos corretamente o pacote de adubos e pesticidas recomendado pelo fabricante, do contrário, não acreditamos que nem uma colheita de boas espigas teríamos).
Ah, para seguir o teste de poder de nossa cobaia, ainda adicionamos uma nova variável tornando a posterior seleção ainda mais complicada e a prova de resistência deste milho mais desafiadora, então semeamos próximo a ele uma variedade de “maiz” peruano, das altas montanhas do Vale Sagrado. Hummm… vai que dá bom. Pela lógica genética, se nosso criolinho do Paraná, que já se mostra um durão para o frio, neste novo cruzamento não alterar suas características de pipoca, forma e cor (ou cores, veremos), ainda pode ganhar um precioso gen dos parentes andinos que venha a suportar temperaturas ainda mais baixas.

Chegou o momento, e debaixo daquela palha teríamos surpresas, no mínimo interessantes. Foram aproximadamente 50 plantas de 50 sementes, mostrando a que veio já desde a germinação, ou seja, nenhuma falhou. E assim nos rendeu 70 espigas, que se desenvolveram muito bem, mesmo sendo atormentadas e sufocadas por algumas variedades de feijões trepadores, os quais descuidamos em misturar no consórcio. Enfim, outro ótimo teste de resistência para nosso guerreiro.

Recordando que recebemos do guardião as sementes de milho de pipoca, de variadas cores, daquelas espigas finas e bem pontiagudas, plantamos somente da cor preta, selecionando entre todas, as maiores e claro, sempre finas e pontiagudas. Começamos a colher e abrir a palha e eis nossa comprovação: grãos vermelhos, amarelos, laranjas, pretos, muito pretos, dourados, misturados, grandes, pequenos, pontiagudos, redondos (ops… sabemos que esta característica de forma não é comum nos milhos de pipoca crioula) e algumas espigas bem maiores (também incomum nesta variedade), o que nos mostra também que alguém andou pulando a cerca da cordilheira na hora da copula.

Antes mesmo de iniciar nossa análise já observamos a riqueza genética contida numa única semente com a dominância preta, que pode nos retornar novamente todas as cores das sementes anteriormente misturadas pelo guardião. Como a seleção de uma característica específica ou a variação dela pode levar anos de cruzamentos e seleção, isso nos prova que esta semente tem umas tantas gerações sendo preservada com carinho e enriquecendo sua genética.

Num trabalho mais minucioso estivemos selecionando entre as mais bem desenvolvidas, com as variadas cores, todas no formato de espiga fina e grão pontiagudo, característica comum aos milhos de pipoca crioulo. Bem, estas seriam nossas “avozinhas” que recuperamos da genética tradicional de nosso doador, além disso, deixamos gravado um pouco da nossa historia de seleção, e com sorte podemos ter agregado aquele “poncho” peruano, característica que só conheceremos na próxima geada.

Logo vem a parte difícil. Toda aquela mistura vinda do cruzamento inter-latino. Tem espigas finas com grãos redondos, grandes com grãos pontiagudos, grandes com grãos redondos, coloridas misturadas, enfim para estas espigas acreditamos que se manteve mais forte a genética do milho peruano. Agora para aproveitar estes novos descendentes só nos resta um teste a fazer: de pipocabilidade. Ou seja, debulhar e estourar na panela, por separadado cada variedade manifestada diferente dos originais e com nova característica que nos interesse preservar, assim veremos se ainda temos milhos de pipoca, desta vez com novas formas e tamanhos.

Com esperado, nossos testes mostram alguns fracassos na pipocabilidade, mas também sucesso na “criação” de um novo formato para o milho de pipoca, no caso de duas espigas grandes com grãos arredondados, amarelos e manchados brilhantes.

Ficamos com algumas misturas interessantes que ainda fazem pipoca, mas também perdemos este gen em outras que descartamos. Por sorte nossas espigas selecionadas com características das originais mantiveram a pipocabilidade no testes.

Experiência que recomendo aos plantadores mais atrevidos, não somente para o milho de pipoca mas também para outras varidades e espécies. Como exemplo temos um guardião em Planaltina, DF que foi atento em produzir novas sementes a partir de um punhadinho de uma variedade de alface que supostamente se definia como “4 estações”, e de ali até sua terceira geração pode observar e selecionar mais 5 diferentes variedades em seus cruzamentos, graças a grande variabilidade genética da matriz crioula que lhe doamos.

Aguardamos as próximas colheitas!

Uma aldeia para o futuro, resgate da agricultura tradicional

As comunidades tradicionais só resistem na sociedade, fortalecendo sua tradição. Um povo é sua cultura.

DSC_0072


Multiplica! e Raiz das Imagens – Aldeia Kalipety, Parelheiros, SP

6º Banco de Multiplicação de Sementes

IMG_2678O nome da aldeia, Kalipety. Na lingua Guarani, “ty” significa ‘muito de alguma coisa’, e “kalipe” é como chamam o eucalipto. Este foi o cultivo que o povo Guarani Mbyá na região de Parelheiros, SP, herdou na retomada de seu território, e realmente é algo que se encontra em grande quantidade nestas terras.
O eucalipto não faz parte da cultura Guarani, nem mesmo deste bioma, mas desde que iniciaram esta aldeia nova, localizada dentro da TI Tenondé-Porã, o povo indígena agradece esta árvore que vem sendo usada com sabedoria para a construção das novas casas. Assim, conhecendo a problemática de degradação causada ao solo devido uma grande quantidade desta cultura, uma consciente retirada de eucaliptos vem dando lugar nas matas ao reflorestamento de árvores nativas da Mata Atlântica além de algumas espécies frutíferas. Portanto é importante lembrar que não existe planta “má”, o grande problema é a forma que domesticamos e o desequilíbrio que causamos com isso.

DSC_0035
Uma liderança mulher, jovem e preocupada com a educação

MVI_2491000Com uma incrível consciência ambiental e foco na importância em fortalecer a tradição Guarani, há dois anos, a jovem liderança e educadora Jera Giselda decidiu que deixaria a aldeia onde nasceu, Tenondé Porã, para encontrar o lugar ideal para firmar um trabalho de resgate cultural e garantir a autonomia de seu povo. A antiga Tenondé Porã, já foi um lugar com forte desempenho da agricultura tradicional no início da comunidade que já tem mais de 40 anos. Hoje muito mudou e a população da aldeia cresceu, no entanto a terra demarcada continua a mesma, o que tornou quase impraticável o plantio até mesmo para subsistência.

DSC_0202Certo dia, visitando o velho Antônio, parente da aldeia Rio Silveira no litoral Sul, Jera recebeu das mãos deste guardião uma batata-doce que garantiu ser tradicional do seu povo, chamada “jety-karau guaxu”, e junto a missão de plantá-la e preservá-la. Em pouco tempo seu pequeno quintal em Tenondé exibia já as ramas e folhas da “jety miri” (batata sagrada), como carinhosamente era chamada pela nova guardiã, e não demorou até aparecer em suas mãos diferentes variedades de batata-doce de outros guardiões desta aldeia e outros lugares do Brasil. Foi assim que Jera percebeu que sua missão seria descobrir e resgatar todas as tradicionais batatas-doce do povo Guarani, seu quintal ficou pequeno, e com isso chegava o momento de mudar para um lugar onde tivesse muito mais espaço para esta multiplicação.

Parceria pela tradição e biodiversidade

DSC_0245Resistência! No município de São Paulo, a terra indígena Guarani, com 15.969 hectares identificados em 1983, apenas 26 hectares da Aldeia Tendondé-Porã foram homologados e demarcados. Nesta delicada situação, começou este incrível trabalho na Aldeia Kalipety, na luta pela autonomia, praticada através do resgate da agricultura Guaraní. Entre o milho tradicional (Avaxi), a Mandioca (Manji’o) se destacou o plantio da batata sagrada (Jety Miri). Em apenas dois anos, trazidas de feiras de sementes, velhos guardiões ou mesmo por cruzamentos, Jera já possui 6 variedades sendo multiplicadas. E foi através desta resistência cultural e pela soberania alimentar que a parceria entre Multiplica! e Raiz das Imagens chegou até este lugar.

IMG_2733Giselda, como é chamada em seu nome “jurua” (não-indígena), bastante conhecida pelo carisma e influência como liderança formadora de opinião na luta pelos direitos indígenas, é frequentemente buscada por jovens estudantes e pesquisadores para entrevistas. Também conhecida por vídeos onde demonstra ser uma incrível oradora, expressando-se não só em Guarani, mas perfeitamente em Português. Assim encontramos Jera, que ficou muito animada com nossa simples proposta. Oferecemos apoio para um grande mutirão na criação de um espaço na aldeia para um berço de multiplicação das sementes tradicionais e crioulas, além de uma feira de sementes para levar novas variedades e ampliar a diversidade de alimentos cultivados. Quase sem pensar, a guerreira e plantadora respondeu: Sim, precisamos muito!

IMG_2047

Entre as 20 famílias que vivem na aldeia, muitos tem a abertura para acrescentar novos alimentos em sua dieta, garantindo assim uma possível autonomia em uma realidade de grande dependência de mercado. Esta é a revolução agroecológica que vem se formando entre as comunidades indígenas conscientes na luta por uma integração cultural saudável e harmônica, sabendo aproveitar e aceitar apenas o que é bom na cultura do não-indígena. Desta forma, plantando e incluindo mais cultivares, como a cenoura, o arroz integral e o gergelim, por exemplo, é bem provável que logo menos açúcar, farinha branca e óleo precisará ser comprado.

MVI_2250Foram 10 dias de intenso trabalho na terra, troca de conhecimentos e reflexões sobre o resgate da cultura Guarani. Como atividade de força maior, organizamos juntos em meio a este período de mão-na-massa, uma vivência de 4 dias, integrando as aldeias Tenondé-Porã, Kurukutu, Kalipety e agricultores da região de Parelheiros, além de alguns especiais convidados “juruas” vindos São Paulo para participar nos mutirões.

IMG_2277

IMG_2290A proposta feita pelo Multiplica! foi aceita e desenvolvida junto à comunidade para a implementação de um espaço integrado com um banco de multiplicação de sementes (novos cultivares) na terra, uma área de produção para as culturas tradicionais como a batata e o milho, uma linha de SAF com banana e mamão em círculos de bananeira e uma zona de adubação verde para manejo e incorporação nos canteiros, além de uma composteira/minhocário no centro. A todo este sistema chamamos “Berço de Abundância”.

IMG_2035Em meio a uma área onde as matas apresentam um solo ácido e árido por conta das quase monoculturas de eucalipto firmadas há alguns anos, não há outra saída que não seja primeiramente “plantar solo”. Este foi o desafio no trabalho de agricultura regenerativa, empregando 3 diferentes técnicas baseadas no sistema agroflorestal e biointensivo.

MVI_2218Contando com os supostos “inimigos” como maiores aliados, os próprios eucaliptos foram utilizados na maior parte da biomassa e adubação verde e o restante da matéria orgânica entre podas de nativas e folhas das matas, além de um empurrãozinho de crotalárias e gramíneas que já haviam plantado no local há alguns meses para início de recuperação do solo. Tudo isso não podia deixar de ser oferecido para decomposição aos nossos queridos microorganismos eficientes que foram coletados na própria mata da aldeia próxima a um córrego saudável.

A memória dos mais velhos é o único livro

MVI_2466Como parte deste processo, não poderia faltar o compartilhamento de conhecimentos do plantio e colheita da batata-doce, onde Jera orgulhosa mostrou aos “juruas” tudo que aprendeu com seu mestre plantador Pedro Vicente, que também esteve presente para observar novas técnicas e brindar-nos com algumas sábias palavras. O ilustre plantador se dirige principalmente aos jovens indígenas, lembrando e lamentando que atualmente estão perdendo o interesse pela agricultura tradicional e pela cultura Guarani em geral, o que traz a tona sua principal preocupação: “E quando os velhos como eu não estiverem mais aqui, quem vai continuar nossa tradição?”
MVI_2086

DSC_0089E na celebração da feira de sementes, como forma de retribuir o fruto da sabedoria do velho Pedro e de outros guardiões que lhe estiveram ensinando, Jera Giselda compartilhou com todos em um grande almoço uma parte de sua primeira grande colheita da valiosa (e deliciosa) batata-roxa (jety-karaũ).

Clip0106Para valorizar e incentivar este lindo resgate do alimento tradicional, o Raiz das Imagens esteve acompanhando e registrando em parceria com alguns jovens da aldeia que se interessaram pela câmera e nos enriquecem assim com sua visão dos plantios, colheitas e descobertas destas batata-doce em um pequeno vídeo retrato audiovisual para compartilhar e motivar outras comunidades, além de divulgar a riqueza desta cultura.

MVI_2398
Assim foi a vivência, entre 4 dias de mutirão com diversas participações e outros 6 dias de
trabalho na preparação e finalização do berço que contou com a dedicação dos moradores da aldeia, Evandro, Jera, Aline, Kátia, Pedrinho, Verá, Tiago, Zé, e vários outros não menos importantes.

DSC_0107Também foram realizadas outras atividades como a Feira de troca de sementes, brincadeiras com as crianças no tecido acrobático, descobrindo milhares de funções, pintura com tintas naturais, projeções de filmes de agroecologia e vídeos de outros povos, além de algumas noites de reza, cantos e dança na “Opy” (casa de reza). A união e comunhão sempre presente na casa grande da aldeia, onde todos os dias nos reunimos e realizamos as refeições, compartilhando o alimento e as receitas guarani e “jurua”, sempre em cooperação e harmonia, se destacaram o “Xipá” (pão tradicional, adaptado da mandioca à farinha e frito), o Bodiapé (mesma receita feita diretamente na brasa) e muita, muita batata-doce roxa.

IMG_2377

Algumas das variedades de batata-doce tradicional do povo Guarani (marcadas as que foram identificadas pelo guardião Pedro Vicente como ainda presentes na região e algumas já resgatadas na aldeia Kalipety):
jety-andai – Certa batata-doce amarela por dentro e vermelha por fora, com sabor de abóbora
jety-apiju – Certa batata-doce
jety-ava – Certa batata-doce branca por dentro e vermelha por fora, não muito doce, se não deixá-la ao sol por vários dias
jety-aypi – Certa batata-doce cuja casca contém manchas escuras, e que é branca por dentro
jety ju – Certa batata-doce amarela por dentro e vermelha por fora
jety-kara – Certa batata-doce
jety-kara’i – Certa batata-doce semelhante à última referida, mas menor
jety-karaũ – Certa batata-doce preta por dentro e por fora
jety-karau guaxu
jety-mbyku ra’yĩ – Certa batata-doce vermelha, bem pequena; batatinha-de-gambá
jety-piary – Certa batata-doce não muito doce, de cor bege por dentro
jety pire pytã va’e – Certa batata-doce com casca roxa
jety pytã – Certa batata-doce com manchas roxas por dentro e por fora
jety-raxi, jety-raxy – Certa batata-doce
jety-remborike – Certa batata-doce
jety xiĩ guaxu – Certa batata-doce branca por fora e por dentro
jety xiĩ’i – Certa batata-doce semelhante à última referida, mas menor

DSC_0077Em conversa com Jera, nos declara que tem um sonho para esta aldeia. Que se torne um modelo de referência nas sementes tradicionais e crioulas, onde todos possam vir recuperar e levar sementes multiplicadas com muito carinho. Um berço de batatas, milho, mandioca, e todos os alimentos que os guardiões vieram trazendo desde sempre como viajantes do tempo. Uma aldeia rica de vida e aberta à diversidade, onde a base do trabalho seja a agricultura e que estes resultados possam trazer uma verdadeira autonomia algum dia.

DSC_0224-4Trazemos da aldeia Kalipety muito conhecimento e a inspiração de um povo extremamente alegre e divertido, que trabalha duro enquanto conta piadas, consagrando seu inseparável “pety’guá” (cachimbo sagrado). Deixamos um pouco da experiência que adquirimos com outros guardiões tão importantes de outros lugares. Ali na terra e dentro de cada um que participou fica plantada mais uma semente da integração pela sociobiodiversidade.

kalipety-mapa kalipety-mapa2

IMG_2732

Assentamento Silvio Rodrigues, orgânico sem pedágios

Em um cenário de agricultores com a corda no pescoço, a transição agroecológica 

DSC_8153
Multiplica! – Assentamento Silvio Rodrigues, Alto Paraíso, GO
5º Banco de Multiplicação de Sementes

DSC_8062Na agricultura orgânica, a produtividade imediata por necessidade, procrastina o processo de transição para uma autonomia de sementes próprias e livres. É preocupante, cada vez mais se perdem as sementes tradicionais das famílias de agricultores e mais difícil o acesso a cultivares de boa procedência e qualidade.
Através da seleção, desde sempre agricultores desenvolveram variedades chamadas crioulas, melhorando por gerações estas sementes para se adaptarem às condições de solo e clima locais. Assim, fortalecendo as plantas, reduzindo o uso de fertilizantes e a dependência do mercado.

feira-alto-paraisoNo Alto Paraíso de Goiás, a famosa “Feira do Produtor” que acontece todos os sábados é o ponto de encontro dos mais diversos personagens plantadores, articuladores, artistas e visitantes curiosos. Além de uma imensa variedade gastronômica com opções para todas as dietas alimentares, tradicionalmente apresenta bancas dos agricultores com produtos da agricultura familiar da região.

DSC_7682Em 2014, o Multiplica! esteve desenvolvendo ações na região e teve a oportunidade de convidar todos os produtores que vendem na feira para uma vivência com mutirão de agrofloresta reunindo e integrando novos rurais e velhos plantadores no sitio Vitaparque. Facilitamos trocas de sementes e projeções com rodas de prosa, e a partir destas conversas pudemos constatar entre os agricultores, que apesar de utilizarem um sistema de adubação orgânica, a maioria ainda comprava sementes hibrídas mantendo esta dependência com a fonte genética, em muitos casos inclusive utilizavam o formato de plantio convencional, apenas com pequenos consórcios ou monoculturas orgânicas.

satyavansatNosso retorno a Chapada dos Veadeiros em 2015, nos colocou em contato com um personagem chave, Satyavan Sat, um incrível missionário da natureza, que há anos vem contribuindo na transição agroecológica de vários assentamentos, o que nos levou novamente a cruzar o caminho de nossos grandes plantadores do Assentamento Silvio Rodrigues. Desta vez descobrimos alguns guardiões dedicados como Mazão, Ivanilde, Gilberto e Virgílio que mostraram sua preocupação com as sementes crioulas. Assim encontramos a brecha para propor a co-criação de um banco de multiplicação de sementes no assentamento, com objetivo de intensificar em todos os plantadores o interesse na produção das sementes próprias.

DSC_8231Dona Osvaldina foi a anfitriã a abrigar em seu lote o berço genético que fortaleceria, neste grupo de agricultores, uma consciência do valor que as sementes tem para sua soberania. Senhora humilde, serena e lutadora já plantando e observando os ciclos há um bom tempo. Em sua horta vimos grande diversidade, florindo e pendoando, plantas de cultivares comprados, que na teoria deveriam ser estéreis ou muito pouco capazes de desenvolver boas sementes, mas que nas mãos de uma guardiã de essência podem ser melhoradas seletivamente a cada geração. Dona Osvaldina já não tinha acesso a sementes crioulas, no entanto sua intuição, observação e vontade de ser soberana foi encontrando formas de gravar história nestas sementes manipuladas. Algumas rúculas “de mercado”, conforme relatou Osvaldina, já estavam notavelmente mais fortes e adptadas em sua terceira geração vivendo ali com ela.

DSC_8073
DSC_7983Em mais uma vivência que juntou muita sabedoria e curiosidade, tivemos um processo construtivo na criação de um modelo de berço para multiplicação das sementes livres baseado nos princípios da cooperação entre espécies e formação regenerativa do solo. A participação foi bastante dinâmica durante os 2 dias de vivência, com a presença dos personagens já familiarizados e também novos rostos, já que o assentamento Silvio Rodrigues é muito extenso e alguns moradores apenas se conhecem. Entre mutirão e projeções, as prosas são o que mais fortalece a união dos assentados, quando os interesses pela preservação das nascentes e a preocupação com relação ao cerco de contaminação por transgênicos e agrotóxicos nas fronteiras se destacam entre tantos como fator sine qua non para o processo de regeneração de sua terra.

DSC_8129Outro legado da exploração uma vez praticada que ficou para o assentamento foram as “florestas” de monocultivos de eucalipto, uma vez atividade principal nesta área da Chapada dos Veadeiros. Este é um grave problema em alguns lotes, pois a remanescência de duas variedades destas exóticas dificultam muito no trabalho de agricultura sustentável e um verdadeiro reflorestamento para espécies nativas devido a sua rápida propagação descontrolada, forte enraizamento e esgotamento dos aquíferos. Em nosso sistema agroflorestal para o berço de sementes, nada melhor que criar solução a partir do problema e utilizar muita madeira, folhas e galhos de eucalipto como biomassa, já que este material dispõe de grande quantidade de N, P e K para iniciar a nutrição de nosso solo.
DSC_8015

DSC_8101Agroecologia, agricultura orgânica, permacultura, agricultura biológica, já são tantos rótulos, são tantos conceitos. Estas pessoas lutaram para conseguir uma terra para produzir alimento de forma saudável e conquistar sua autonomia. Aqui não há um selo a custa de pedágio, estas famílias vivem da terra, a respeitam e entregam aos consumidores o mesmo alimento saudável que plantam para elas mesmas.

Antigamente, uma agricultura era apenas agricultura, pois de qualquer maneira era orgânica.
DSC_7996
O sistema criado apresenta um berço para multiplicação de sementes, uma área para manter variedades que gerem biomassa para adubação e dois corredores com flores e ervas aromátias/medicinais.
osvaldina mapa

 

Plante SOLO e os frutos virão!

Somos apenas mais um, na harmonia da natureza

DSC_8471

Agricultores com foco na produção sempre manifestam preocupação e interesse na forma de adubar as plantas, na técnica de plantio, na “proteção” e “combate” às “pragas”. Isso tudo é intrínseco ao que chamamos agricultura, seja ela convencional ou agroecológica.

A criação das culturas intensivas pela escassez de recursos após a 2ª guerra, para produzir mais em menores espaços, tornou a agropecuária uma prática de exploração desregrada. Visando não só a produção máxima imediata, mas acima de tudo o lucro, sempre criando “soluções” para os problemas causados pela própria intervenção inadequada.

3029705646_29f8772fdbO grande problema de interagir com a natureza por interesse capital não é apenas o desmatamento, a água ou a modificação genética, falamos da consequência que tudo isso está causando ao nosso elemento primordial: o solo.

Estamos destruindo não somente as sementes, a biodiversidade, as florestas ou os povos tradicionais, é nossa base de vida que está secando, morrendo e sofrendo. O solo é o berço de vida para uma infinidade de macro e microorganismos que se relacionam, se complementam e mantém a harmonia no todo do planeta.
Desmatamento de florestas e sub-biomas inteiros que mantinham uma fauna microbiótica que alimenta o solo, monoculturas de plantas que retiram e devolvem sempre os mesmos nutrientes da terra, pesticidas que matam não só as “pragas”, mas milhares de insetos, fungos e bactérias fundamentais para a manutenção e reciclagem desta placenta que propicia o desenvolvimento dos vegetais e animais.

imagen_13origem da foto:
 http://www.arqhys.com/arquitectura/fotos/arquitectura/Morfologia-de-suelo.png

DSC_8088Constantemente os agricultores se perguntam: o que usar para adubar? o esterco é o melhor para uma produção orgânica? como evitar as pragas?… calcário, npk, biofertilizantes, etc…
Os biomas e as espécies coexistem sem nossa interferência no planeta há milhares de anos, a agricultura surgiu há aproximadamente 10 mil anos, e em apenas 100 anos de monoculturas temos 50% menos da biodiversidade.

Assim, se queremos mesmo plantas saudáveis e cultivos sustentáveis, precisamos de tempo e observação, por isso acreditamos que a única interação necessária com a natureza é devolver o que estivemos explorando durante este tempo. Aproveite os resíduos orgânicos, utilize o composto, cubra a terra, crie sombra, deixe plantas “daninhas” iniciarem os nichos, coloque sementes na terra sem espectativa, plante adubação verde, ame os microorganismos… Plante SOLO e os frutos virão!

DSC_8475

Em uma experiência recente, observamos na prática que os lugares onde interagimos ou plantamos só necessitam que cuidemos o solo. Há 1 ano em um terreno no qual regularmente viemos cuidando o solo, devolvemos microorganismos, protegemos com cobertura e criamos pequenos nichos e microambientes. Sempre plantamos intencionalmente sementes que muitas vezes se desenvolveram outras não. Atualmente, vimos a germinação espontânea de muitas plantas de tomate em diversos lugares do terreno. Sendo que este ano plantamos apenas uma variedade em um único lugar, é “normal” que “apareçam” 8 diferentes variedades espalhadas por todo o terreno? Não. Mas o que observamos é que depois de 1 ano sem cavar, utilizar insumos externos ou revirar o solo, a fauna macro e microbiótica aumentou, e ultimamente, todas as manhãs temos visitas de pássaros que passeiam saltitantes caçando insetos e vermes que se desenvolveram nesta terra. Eis que para nossa surpresa, uma quantidade enorme de plantas e frutos que não plantamos estão chegando para viver neste lugar.

DSC_8442

DSC_8451DSC_8448DSC_8450DSC_8456DSC_8454DSC_8449DSC_8447

Encontro de Culturas – 9ª Aldeia Multiétnica

A soberania alimentar dos povos tradicionais está na semente

Multiplica! –  Chapada dos Veadeiros, São Jorge, GO

DSC_7272

DSC_7392A Aldeia Multiétnica é uma iniciativa dentro do Encontro de Culturas da Chapada dos Veadeiros que este ano reuniu 6 etnias indígenas em uma vivência de cantos, rituais, oficinas, conversas, projeções e ações em um único espaço multicultural. Durante uma semana todos os povos se reúnem para mostrar sua cultura e compartilhar conhecimentos nesta aldeia satélite onde foram construídas casas tradicionais das etnias Krahô, Kayapó, Yawalapti e para a próxima edição conta com uma proposta para a casa Xavante que este ano estreou sua participação com o brilho de rituais fortes e sensíveis.

DSC_7437No acampamento onde estivemos junto aos Xavantes, todas as manhãs às 5hs, despertamos com lindos e lamentosos cantos de um grupo de cantores Krahô que caminhavam pintados e sem camisa ignorando e abstraindo o frio seco e persistente da manhã. A rotina do dia seguia com apresentações e conversas seguindo o cronograma que dava lugar de destaque para uma das etnias a cada dia.

IMG_6121
IMG_6096A participação do Multiplica! não poderia ser mais pertinente quando um dos temas principais do encontro era a sociobiodiversidade. Estivemos facilitando uma conversa sobre as sementes crioulas e disponibilizando o banco de sementes para novos e velhos guardiões durante a Feira de Sementes Tradicionais e Crioulas.

 

XV_ECTCV_AlanOju-5844_640x2000
Foto: Leonil Junior

Também foram organizadas seções de Cine-Prosa durante 3 dias com temática indígena e ambiental em uma parceria entre Raiz das Imagens e Multiplica! que apresentou filmes de autoria de cineastas indígena e questões relacionadas com a soberania alimentar e autonomia dos povos tradicionais e rurais.

 

 

DSC_7483
Para finalizar a participação do coletivo, reunimos as lideranças das etnias Krahô, Xavante, Yawalapti, Kariri Xocó, Fulni-ô e Kayapó para uma roda de conversa e troca de experiências. Cada comunidade apresentando uma série de peças de artesanato tradicional explicando sua origem, utilidade e valor, assim como as dificuldades com relação a coleta da matéria prima, muitas vezes relacionadas diretamente com a degradação de nossos biomas e extinção de algumas espécies.

DSC_7278Missão cumprida! Muitos guardiões que buscavam sementes para suas novas terras agora tiveram uma oportunidade de contato com diversas variedades de cultivares naturais e tradicionais; vários antigos guardiões indígenas puderam recuperar algumas sementes preciosas que valorizam muito em sua comunidade.

IMG_6092

Ano que vem… mais etnias, mais mescla cultural, mais biodiversidade e muito mais multiplicação.

Leia: Resenha do Encontro de Culturas

DSC_7362

 

3º banco de multiplicação de sementes

Luta pela terra e dignidade, memória do campo e resistência na cidade

Multiplica! – Comunidade Jardim Bela Vista, Tatuquara, Curitiba, PR

IMG_7923
Fotos: Faetuza Tezelli


IMG_7626A distância entre escolas de ensino convencional e a realidade social atual está marcada por um abismo de convenções, mitos e padrões. Índios foram “descobertos” e extintos, o homem do campo deixou sua vida de roça a partir de um êxodo rural na busca por melhores condições na cidade, o progresso e a evolução provém da indústria e da manipulação genética. Isso aprendemos, acreditamos e muitas vezes por tal, deixamos de ver e valorizar nossa própria raiz e as origens de nosso conhecimento.

IMG_8559

IMG_7808Periferias das grandes cidades são bairros dentro de bairros, existe um mundo. Neste mundo, pessoas simples, trabalhadoras e com muita história que não está nas apostilas. O Jardim Bela Vista é uma comunidade na região do Tatuquara, bem pouco conhecido provavelmente pela maioria dos curitibanos. Um bairro onde Ivo, Joel, Luiz, Helena, Maria e diversas famílias, alguns vindos do campo, outros filhos de ex-agricultores vivem em pequenos lotes em uma área ocupada pelo direito à terra, aguardando regularização de sua moradia própria, e neste tempo mantém a prática de pequenos cultivos em seus pedaços de terra.

IMG_7898

O projeto Multiplica! chegou a este lugar para incentivar e colaborar com uma autonomia quase esquecida, trazendo as sementes naturais e a prática de mutirão, para a criação de mais um Banco de multiplicação de sementes. Conhecemos as necessidades dessa gente através do projeto “Jardinagem: territorialidade, temporalidade, ato político” que nos convidou para levar uma vivência com o objetivo de reconectar estas pessoas a essência das sementes crioulas e unir os velhos plantadores para uma ação comunitária.

IMG_7909

IMG_7837Após algumas visitas prévias ao bairro, afim de entender a organização social, conhecer algumas pessoas e visualizar os espaços cultiváveis, finalmente marcamos uma data para as ações da vivência que daria sequência a um trabalho já iniciado pelo projeto de jardinagem libertária para a criação de uma horta comunitária.

Desta vez a integração entre o pessoal seria nosso maior desafio, já que no contexto urbano, a pureza do contato com a terra e a união do coletivo para ações comunitárias está cada vez mais distante devido a contaminação natural de valores e necessidades criadas.

IMG_7685Primeiro dia de vivência, projeção e roda de conversa… Poucos acudiram, mas muitos foram os que se motivaram, se identificaram e recordaram as praticas camponesas através dos exemplos bravos e inspiradores das agricultoras do filme “Mulheres da Terra”.
Este é o momento em que se manifesta o Sr. Luiz, que ainda mantém uma terrinha conquistada através da reforma agrária, dizendo que está pensando voltar pra roça e pegar na enxada.

IMG_7744

IMG_7767Dia seguinte o mutirão inicia cedo, pouco a pouco vão chegando convocados e crianças curiosas e aderindo à proposta para a criação do Banco de Multiplicação de Sementes. A idéia de apropriar-se de um espaço público para plantar coletivamente anima alguns e confunde a outros, já que este tipo de prática não é algo comum nas cidades e a preocupação pelo espaço individual e separação de terras acaba saindo à tona, mas ao final todos foram digerindo e entendendo que aquele espaço se tornaria o berço das sementes para o futuro de toda a comunidade. O mutirão seguiu o dia todo, entre uns que saíam e novos que somavam, as crianças foram quem marcaram presença constante, divertindo-se e colaborando com o trabalho.

IMG_7780


IMG_7806
Finalmente na Feira de troca de sementes apresentamos o banco móvel com cultivares resgatados durante 2014 e 2015. Muitos velhos guardiões lembravam das sementes já extintas de sua família, os novos plantadores receberam orgulhosos algumas variedades crioulas tão raras aos seus olhos. Nesta dinâmica nomeamos cada guardião para 2 cultivares a serem plantados no novo berço, com o objetivo de ter o acompanhamento dos ciclos destas plantas escolhidas por cada um dos plantadores.

IMG_8011

IMG_8001O plantio foi feito entre todos, e juntos colocamos muita fé neste banco de vida. Durante nossa visita, recebemos poucos exemplares nas trocas de sementes, o que nos faz perceber que neste contexto muito das origens foi realmente esquecido e outros interesses se perderam nas necessidades criadas pelo capital, contudo sabemos que deixamos ali plantada uma sementinha de esperança e união pela terra.

IMG_8056

Variedades plantadas no berço

bela vista mapa sementes

 

40 dias depois, guardiões a postos, observando e identificando

IMG_8574 IMG_8572 IMG_8568 IMG_8558 IMG_8553 IMG_8552 IMG_8551IMG_8549 IMG_8548IMG_8547 IMG_8546

 

 

 

 

 

 

2º banco de multiplicação de sementes

Preservando a natureza e plantando a bio-diversidade, pelo futuro dos filhos, pela soberania alimentar.

Multiplica! – Praia do Marsical, SC

DSC_5678

No banco de multiplicação de sementes da Praia do Mariscal foram plantadas 30 variedades de cultivares crioulas, das mais favoráveis para a época do ano e região entre outras como experiência de adaptação e cooperação no consórcio entre as espécies.

DSC_5699

praia-do-mariscalO que parece ser mais uma praia popular de Santa Catarina, lugar buscado e explorado por turistas de toda América Latina na temporada, esconde uma comunidade unida e consciente de residentes pintores, escultores, músicos, e terapeutas que há alguns anos abandonaram as rotinas babilônicas das capitais e encontraram seu espaço junto à natureza.

11294375_1107037899311027_641654704_oA praia do Mariscal é um quase refúgio para algumas lindas almas que se dedicam a cuidar e preservar este istmo ecológico que se perde detrás de morros no município de Bombas. Perseguida e ameaçada pela especulação imobiliária, Mariscal e Canto Grande ainda preservam este espírito caiçara tradicional de nativos pescadores e pousadas agradáveis, há alguns anos estes novos moradores que ajudaram a criar este espaço harmonioso vem lutando para manter o equilíbrio ecológico, segurando e freando políticas para as mega-edificações e exploração turística massiva.

A proposta para o banco de sementes veio pela demanda em ampliar os conhecimentos de olericultura e de um casal de artistas que há pouco se tornaram pais e a partir de então vem cada vez mais se preocupando por uma alimentação natural e sem venenos da indústria.

11287465_1107029162645234_1374078223_o

Multiplica! foi convocado e levou à comunidade um pouco dos conhecimentos adquiridos com grandes guardiões da caminhada, para realizar em mutirão um berço de abundância utilizando técnicas de agrofloresta para a criação de um banco de multiplicação de sementes. Como sempre a feira de troca de sementes uniu novos e velhos guardiões, motivados em multiplicar biodiversidade e plantar para seus filhos.

11084155_10153302669162840_5815948476904504643_o

DSC_5562

As ruas alagadas parecem ser um primeiro indicador da ameaça ao desequilíbrio causado pelos aterros feitos para edificação cada vez mais próximos ao pé da mata que este lugar tão especial guarda.

10298546_10153302669792840_496111503458738981_o

DSC_5565Desta vez, novo desafio para a oficina de SAF, a preparação do berço de abundância em um lugar úmido, de alagados, com solo de aterro argiloso em região arenosa. Durante dois dias estivemos em busca de respostas para e formação do sistema de recuperação do solo, conectando com o entorno e perguntando à natureza. Observamos as espécies da região e descobrimos uma crotalária nativa oferecendo-nos sementes para plantar na zona de adubação, decidimos utilizar tembém muita bio-massa de troncos de bananeira, já que existe na região uma variedade de banana nativa, que além de saborosa oferece abundância nas matas e nos terrenos para poda.

DSC_5638Em nossa coleta de matéria orgânica identificamos grande quantidade de margaridões nas ruas mesmas, que pudemos fazer o manejo e utilizar na adubação do berço. Outra investida importante foi a expedição na mata em busca de serrapilheira e um substrato muito interessante de humus que descobrimos conversando com um dos sábios plantadores da região. Nô como é carinhosamente chamado, nos contou que encontraríamos boa terra preta dentro dos troncos podres e Jerivá caídos pela umidade, fato que se dava devido a presença de uma lagarta que comia o interior desta palmeira ainda em vida, criando assim um tronco oco e repleto de rico humus.

11168406_10153302669797840_3740333902321524321_o

O mutirão para o berço de aundância aconteceu na terra de Marina e Alejandro onde juntaram mais de 20 pessoas da pequena comunidade entre projeções, conversas, trabalho na terra e troca de sementes.

DSC_5683

Mais um banco de multiplicação de sementes preparado para o futuro dos filhos deste novo ciclo de renovação e purificação, mais novos guardiões para comprometerem-se em manter e plantar para nossa bio-diversidade.

DSC_5686DSC_5688

E os mutirões apenas começaram, esperamos que sigam muitos mais, semeando cada dia novas esperanças e união entre as famílias.

 

Variedades plantadas no berço

mariscal mapa sementes

 

30 dias depois (com muita chuva) e tudo vem crescendo saudável

11347729_1107024655979018_1377371177_o
fotos: Alejandro Lopez

11354560_1107025015978982_1481854022_o  11297004_1107048039310013_1704923193_o11330866_1107025299312287_1808496412_o

Videoclipe da música Multiplica!


Composta e interpretada por Isabella Cunha
Músicos convidados: Damaris Faria e Caio Tancredi
Imagens gravadas durante as itinerâncias pela multiplicação das sementes crioulas com o projeto Multiplica! por comunidades e sitios nos estados de MG, GO e MT entre maio e novembro de 2014; e entre RJ e BA em janeiro e fevereiro de 2015.
Imagens e som dos músicos gravados no Parque Ibirapuera, SP, em fevereiro de 2015.

———————————–
LETRA DA MÚSICA
———————————–
Vejo aqui tantas sementes
quero ser um guardião
Vamos fazer uma corrente
plantar para a multiplicação

Era uma sementinha
que eu plantei aqui no chão
Cresceu, floriu, deu mais sementes
Agora temos um montão

Vamos juntos espalhar
compartilhar com os irmãos
com amor reflorestar
e colher com nossas mãos

Tem semente de alface,
junto o milho com o feijão
Carurú, Jiló e quiabo,
pra adubar margaridão

Multiplica, multiplica!
as sementes nesse chão

Multiplica, multiplica!
o amor e a gratidão

Tem cacau, côco e banana
tem pimenta e algodão
amaranto e maravilha
com guandú na plantação

Multiplica, multiplica!
as sementes nesse chão

Multiplica, multiplica!
o amor e a gratidão

Gravando a história dessa gente
geração em geração
A cada passo uma semente
Nesse grande mutirão

Multiplica, multiplica!
as sementes nesse chão

Multiplica, multiplica!
o amor e a gratidão

Multiplica clip final

Início de campanha – Multiplicando esta energia, somos UM!

“Todas as espécies cooperam,
para aquela que melhor pode,
realmente possa.”

Olá multiplicadores,
Graças a vocês estamos iniciando esta campanha com muita força!
Este espirito de cooperação nos traz vida ao planeta. Sejamos as espécies que cooperam ao invés das que competem, assim oferecemos a possibilidade àquelas espécies que podem (e necessitam) de realmente poder. De poder se fortalecer, de poder crescer, de poder seguir existindo.

Estes primeiros dias de campanha são muito importantes. Se você apoiou, com certeza irá motivar seus amigos a fazerem o mesmo. Compartilhe, conte, mostre que você apoiou… sua ação é o exemplo!

Deixamos um presente, um retrato do conhecimento dos novos guardiões sendo compartilhado em uma aldeia indígena Xavante, integrando com as técnicas tradicionais dos velhos sábios.

memória visual #2 (com Yuri Diniz)

Gratidão enorme por caminhar junto nessa multiplicação
Abraço a todos,
Rodrigo e Bruno