Ser Livre

“Liberdade é poder participar dos processos de co-definição e co-criação da vida no planeta Terra”
Ernst Gotsch

Antonio da rede Ecovida, reflorestando com a nativa Jussara na Mata Atlântica do PR

O homem moderno criou sua própria prisão. O sistema capitalista nos algema, estende suas correntes por quase todo o planeta. Queremos sair. Mas não sabemos como. É desesperador.

O nosso instinto nos chama para mata. Sair da cidade. Mas o ambiente rural também é urbano. O sistema são princípios que se desdobraram em ações guiadas pelos mesmos. É a lógica. Não é onde você está. E sim, como se comporta. O problema está na sua cabeça. Não existe fugir.

Se você acha que comprar uma terrinha no meio do mato é fugir, você está enganado. É lá que você vai ter que aprender a dançar com seus dragões. Mergulhar para dentro. Se testar. Ser testado. Longe das válvulas de escape da babilônia, o bicho pega, não tem lugar para maquiagem.

A prisão na própria terra, do povo Kaiowá no MS

A sensação de estar preso, consciente ou inconscientemente, no campo ou na cidade, nos leva a depressão. “Preciso de dinheiro”. Vendemos nossa alma para conseguir o mesmo. Uma sensação escrota da mão invisível de Adam Smith segurando o nosso pé e não nos deixando caminhar. Complicamos o que era simples. Estamos distantes daquilo que nos sustenta. Daquilo que amamos. Daquilo que viemos fazer. Nossa função.

Oficina de Agrofloresta com a CARPE no El Nagual, RJ

Participando dos processos de co-definição da vida na Terra, temos a oportunidade de experimentar em plenitude o poder da decisão. Decidir para onde queremos caminhar. Decidir entre o Nirvana e o Paraíso. Co-definir a vida, por consequência, os recursos atrelados a mesma. Isso significa envolver-se. Fazer parte da teia. Ter consciência e responsabilidade de que somos produtos e produtores. Trabalhar para si dentro do todo, onde a perfeição só se encontra no encaixe das diferentes partes. Sentir-se complementar. Isso é Ser livre.

Escolher o que, como e quando plantar, colher, comer, cozinhar, vestir, dormir, acordar, gritar, silenciar, construir, derrubar, sorrir, chorar, sair, saber, ensinar, ficar, amar ou amar. Viver.

Agricultura Urbana na Horta de calçada do Cristo Rei em Curitiba, PR

Também podemos ser livres na cidade. Apesar do trabalho mais desafiador, tendo em vista que o ambiente é todo arquitetado para alimentar o capital. E não o Tao. Presos no trânsito ou engavetados em um esqueleto de concreto, é foda sentir-se livre. Nossa liberdade é trocar de canal. Escolher entre o fast food ou o restaurante a kilo. Entre ler esse texto ou ouvir aquela música, de forma rápida, porque a hora do almoço já está acabando. Foda-se, vou ler o texto ouvindo música. Fazemos tudo e não fazemos nada.

Por homens e mulheres livres no campo ou na cidade, precisamos criar vida e recursos. Olhar para o seu prato e sentir-se livre por ter plantado tudo aquilo ou ,simplesmente, o manjericão da varanda que temperou sua comida, pode ser o início da liberdade. Mas apenas o início, pois o ser humano ao saborear a liberdade possui apetite, fome de função, e já não se contenta mais com a marmita oferecida no bandejão da prisão do capital.

(Texto de um dos mestres em agrofloresta que inspirou esta caminhada pelas sementes)
Gracias Yuri Diniz

Conheça:
A proposta socioambiental da CARPE
O movimento de agricultura urbana Horta Comunitária de Calçada do Cristo Rei
O Centro de sustentabilidade El Nagual
A Rede Ecovida de certficação orgânica participativa
O povo Guaraní-Kaiowa e sua história de luta pela liberdade

Foto: Serginho Lorena